Sem orgasmo não há sarcásmo

Trilogia d’Um Crime Banal

Como eu te matei.

Vestida de vermelho, com um castiçal em plena sala de jantar. 

Por que eu te matei.

Onze e trinta e quatro. Você chegou com um cheiro inconfundível de lúpulo, cereja, toranja e maçã, a camisa azul amassada e a boca inchada. Eu comprei a camisa azul no seu aniversário no mês anterior. O perfume de cereja, toranja e maçã eu tinha comprado pra minha melhor amiga três meses antes. 

Laudo Pericial

Conclusão: Depois de efetuado o Levantamento Pericial em Local da Morte Violenta, os peritos criminais concluem que a morte de ▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇▇, fora evento HOMICIDA; perpetrado por 17 (dezessete) golpes de arma branca contundente (castiçal); os quais atingiram áreas nobres da anatomia humana (regiões cervical, tórax, crânio e face); o que denota nítida intenção do agressor de exterminar esta vítima.

Sem outras especificações. 

Telegrama De Oito Meses

Hoje me peguei pensando em você. Vi coisas e quis que você também as visse. Fiz coisas e quis que você também as fizesse, comigo. 

A Ilustríssima Reforma da Rua das Putas

Na primeira quinta feira daquele mês, o ilustríssimo prefeito decretou:
"Vamos reformar a Rua das Putas"
O resto daquela quinta feira resumiu-se em cada viva alma daquele gabinete tentando convencer o ilustríssimo prefeito de que não era uma boa ideia a tal reforma. No fim da tarde, repetiu-se:
"Vamos reformar a Rua das Putas"
Dito e feito. 
Não demoraram a começar as obras. No coração da cidade, removeram da ruela as Putas Pulguentas e os Vira-Latas Lascivos. Quebraram a calçada e pintaram as fachadas, instalaram charmosas lamparinas e consertaram os telhados. Chamaram até mesmo artistas plásticos para desenhar e pintar as famigeradas portas de aço de enrolar.
A rua ficou tão linda, mas tão linda, que puta nenhuma nunca mais trabalhou por lá.

— Tu não me amas, eu sei. Uma mulher sempre sabe quando é amada ou não. E tu não me amas. — Anita, por favor!Ela calou-se e ofereceu-lhe a boca. Eduardo beijou-a, primeiro sem desejo, apenas para encerrar o diálogo, depois sofregamente, demorando no beijo. E puxando-lhe as calças do pijama para baixo, penetrou-a ali mesmo. Mordia-lhe a nuca cheirosa e os lóbulos das orelhas. Ela se deixou possuir sem prazer, sofrendo a posição que a expunha toda, sem reserva nem mistérios, estorcendo as mãos com que não podia segurá-lo. Depois, o ardor dele contagiou-a poderosamente, e curvando-se, os seios esmagados contra os joelhos, suspensa, fê-lo penetrá-la mais, até à loucura, e sentira-se como um oceano de água pesada duramente fendida pela quilha impetuosa dum barco de guerra. O espasmo veio engatinhando numa vereda de dor, como de carnes que se dilaceram. 

— Tu não me amas, eu sei. Uma mulher sempre sabe quando é amada ou não. E tu não me amas. 
— Anita, por favor!
Ela calou-se e ofereceu-lhe a boca. Eduardo beijou-a, primeiro sem desejo, apenas para encerrar o diálogo, depois sofregamente, demorando no beijo. E puxando-lhe as calças do pijama para baixo, penetrou-a ali mesmo. Mordia-lhe a nuca cheirosa e os lóbulos das orelhas. Ela se deixou possuir sem prazer, sofrendo a posição que a expunha toda, sem reserva nem mistérios, estorcendo as mãos com que não podia segurá-lo. Depois, o ardor dele contagiou-a poderosamente, e curvando-se, os seios esmagados contra os joelhos, suspensa, fê-lo penetrá-la mais, até à loucura, e sentira-se como um oceano de água pesada duramente fendida pela quilha impetuosa dum barco de guerra. O espasmo veio engatinhando numa vereda de dor, como de carnes que se dilaceram. 

"Frouxo, broxa, covarde e cagão!"
Anita chora e grita
Depois que ele já foi embora
Ela se humilha e suplica
"Ne me quitte pas!"